A seca levou a consequências devastadoras em Madagáscar Foto:FAO

A seca levou a consequências devastadoras em Madagáscar Foto:FAO

 

A situação de algumas das regiões de Madagascar encontra-se extremamente precária, com perto de 850,000 pessoas a sofrer de insegurança alimentar causada pela seca que dura há quase 3 anos. Esta escassez de água torna o solo infértil e as plantações acabam por não dar alimento, levando a problemas de saúde, como malnutrição da população, e também problemas sociais – muitas pessoas vivem com menos de 2 dólares por dia.

Intervenção da ONU

O caminho é longo para a resolução deste problema mas a ONU tenta combatê-lo através das suas agências, para que haja soluções tanto a curto como a longo prazo. As nossas acções decorrem diariamente no terreno de várias formas, dependendo da agência.

Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura (FAO)

Ajudando agricultores de pequena escala, distribuindo sementes resistentes à seca para que estes possam voltar à sua ocupação, e ainda repondo ferramentas que possam ter sido vendidas em troca de comida, a FAO tem como objectivo a sustentabilidade alimentar a longo prazo.

Programa Alimentar Mundial (WFP)

Ao mesmo tempo que efectua operações de alívio financeiro e alimentar para a quase totalidade das pessoas a viver em precariedade, ainda providencia refeições diárias a milhares de crianças em idade escolar e previne a malnutrição em mulheres grávidas e recentes mães – tal como à respectiva criança.

UNICEF

Focando-se mais nos direitos das crianças, garante escolas

operacionais de forma a evitar o abandono escolar, o trabalho infantil e os casamentos arranjados, fenómenos recorrentes neste tipo de situações, mas também rastreios de nutrição e água e saneamento para maior parte da população afectada.

Apesar do esforço conjunto das agências a emergência é grande e a situação grave, o que leva a uma operação dispendiosa a qual depende somente de donativos.

8569 – Diogo Vieira